quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Esse tal de Unschooling

Há sete anos atrás, quando Rafael nasceu, eu nunca havia me preocupado com esse negócio de educação, metodologias de ensino, pedagogia ou com a situação educacional no Brasil.
Eu não fazia ideia do que seria esse tal de unschooling.

De lá para cá, venho mudando bastante a minha opinião sobre os assuntos. Pesquisei muito, li vários artigos e livros, ouvi relatos de outras mães. Pouco a pouco fui me convencendo de que a escola não seria o lugar adequado para o tipo de educação que eu percebia que meu filho precisava.

Como a maioria das mães, encaminhei-o para a escola ao completar a idade mínima obrigatória, aos quatro anos.
Com essa idade, ele já sabia ler, reconhecia todos os números e tinha algumas noções básicas de inglês. Tudo isso foi aprendido de maneira natural, devido ao próprio interesse e curiosidade, sem exigir metodologias didáticas ou pedagógicas. A única ferramenta que ele usava era um tablet,

Rafael gostava muito de aprender e não se cansava. Nós incentivávamos e estimulávamos essa característica dele por que lhe fazia bem, visivelmente.

Certo dia, a diretora e a orientadora pedagógica da escola me chamaram para conversar e disseram que não podiam acreditar, então fizeram vários testes com ele para comprovar os conhecimentos, pois pensaram que fosse algo que ele decorou e devia ter alguma limitação. Achei isso muito engraçado!
Disseram que o objetivo pedagógico era que os alunos reconhecessem o próprio nome até o final do ano letivo, então ele já estava ótimo...

Isso me preocupou bastante porque imaginei que, para ele, poderia representar um freio ou uma ideia equivocada de que não precisava aprender mais do que o suficiente para ser aprovado!

Comecei a fazer parte do conselho da escola para acompanhar de perto o desenvolvimento dele.

Percebi que a escola laica não existe, que poucos profissionais estão preparados para lidar com pessoas tão valiosas quanto as crianças e isso não é o suficiente, que o "sistema" engessa qualquer possibilidade de liberdade de aprender, é tendencioso e interfere mais do que deveria na formação da personalidade dessas crianças.

Isso significa que existe uma padronização na maneira de transmitir o conhecimento, determinar comportamentos, julgar preferências e escolhas que cabem à família e avaliar crianças de acordo com critérios preestabelecidos que não se adequam a todas.

Na mesma época começaram a surgir rumores sobre o homeschooling e depois de observar muito e conversar bastante com o pai dele, resolvemos que ao terminar aquele período não levaríamos mais o Rafael para a escola.

A partir daí, comecei uma busca incessante pelas tais metodologias de ensino!
Pensei que, como nosso filho não iria para a escola, eu deveria substituir os professores e fazer todo o trabalho pedagógico em casa.
A essa altura eu já tinha Olívia com pouco mais de um ano e o trabalho com as crianças aumentou muito. Fiquei exausta!

Depois de mais dois anos preocupada e sobrecarregada com tantas funções eu atingi um pico nervoso e consciencial e percebi que nada disso fazia sentido.
Eu assumi mais um papel e vivia frustrada por não me sentir capaz de cumpri-lo,

Nesse momento eu encontrei a visão do unschooling, que me trouxe tudo aquilo que eu buscava para mim e principalmente, para as crianças! Foi libertador.

Comecei a ver as crianças como seres individuais, verdadeiramente livres, sem "donos" e fui percebendo a maneira perfeitamente natural como eles aprendem sem que ninguém os ensine nada.
Descobri que como mãe, a minha função é proteger, acolher, orientar, incentivar e permitir.

Permitir que errem, que se aborreçam e expressem seus sentimentos, que se arrisquem( ai meu Deus!), que sejam espontâneos, me questionem, me ensinem, me corrijam e pedir que me desculpem.

Me desculpem por ter forçado a barra, negligenciado, omitido, exigido, desrespeitado.

Então, o método agora é o seguinte: liberdade de aprender.
Se querem aprender a cozinhar, vamos fazer um bolo, uma salada ou uma vitamina.
Se querem saber sobre animais e plantas, institutos de ciências ou vamos plantar.
O corpo humano ou artes: biblioteca. O universo - documentários e vídeos no youtube, ou planetário e observatório. Sobre o passado, vamos aos museus. 
Sobre Deus e quem somos nós: evangelização e filosofia.
E se querem só brincar, parques, casa dos amigos, dos primos, e SESC!!!

Descobri que se desconstruir para reconstruir não é fácil!
Apagar todo o preconceito, as crenças ultrapassadas, a falsa sensação de segurança, o medo, os velhos hábitos que se tornaram obsoletos, realmente inúteis e até prejudiciais demora um pouco.

Ainda estou tentando me acertar comigo mesma, mas já tirei bastante peso dessa bagagem que eu andei carregando.
Buscando um ponto de equilíbrio entre a mulher que eu fui e a mãe que eu quero ser, é nesse meio que eu estou!!
Seguirei por esse caminho, ansiosa para andar por outros que ainda se apresentarão e pretendo aproveitar muito a viagem.



Para entender um pouco sobre o unschooling, recomendo a leitura do livro: "Livre para Aprender: Cinco Ideias para uma Vida Unschooling Feliz" - Pam Laricchia

É um livro digital, com apenas 106 páginas, muito objetivo e fácil de ler. Relata as experiências de uma mãe que pratica o unschooling com os dois filhos. Bastante instrutivo para todas as mães.

Nenhum comentário:

SEJA UMA DE NÓS!